Fan Page - Boletim Ambiental
Showcase Page - Boletim Ambiental
Boletim Ambiental

Baleias do Ártico improvisam músicas

Todo mundo já ouviu, pelo menos uma vez na vida, o canto da baleia Jubarte, considerada a maior “cantora” do fundo do mar. Na verdade, um “cantor”, porque a música é entoada pelos machos durante a temporada de reprodução.

Mas, um estudo recente da pesquisadora e oceanógrafa da Universidade de Washington, Kate Stafford e sua equipe, relevaram o canto de novas baleias, até então desconhecidos. Os cientistas colocaram um hidrofone nas águas do Estreito de Fran, entre a Groelândia e o arquipélago de Svalbard, durante os invernos de 2010 a 2014 e se surpreenderam com que capturaram nas gravações: cantos da baleias-da-groelândia.

Mas as músicas eram tão diversas, improvisados e complexas, que a pesquisadora as comparou ao jazz, estilo musical de grande variedade harmônica e rítmica. Foram catalogadas 184 canções originais em três anos.

Segundo Stafford, a tese para a diversidade musical aponta para o fato de ser uma população pequena, com cerca de 300 baleias, que levou a um repertório tão diverso, que é cantado de novembro a abril, durante a noite polar, onde a escuridão é de 24 horas.

Comparativamente, à canção da Jubarte, que dura de 20 a 30 minutos e são repetitivas, as canções da baleia-da groelândia, duram de 45 segundo a 2 minutos e há uma variação do repertório, que dificulta saber a finalidade para que são usadas.

Esse tipo de baleia vive próximo do arquipélago de Svalbard, tem a capa de gordura maias densa de todos as espécies, vivem cerca de 200 anos e possuem a habilidade de romper até meio metro de gelo. Ela não migra, passa a vida inteira no Ártico. As condições rigorosas em que vivem dificultaram maiores estudos sobre elas, mas não sua caça, que foi intensa.

Ouça o canto das baleias, clique aqui

Link Curto: http://bit.ly/2L7GaCI

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*