Fan Page - Boletim Ambiental
Showcase Page - Boletim Ambiental
Boletim Ambiental

Pantanal perde 13% das matas em 15 anos

Em apenas 15 anos, entre 2001 e 2015, o país perdeu 20% de sua área de manguezais, em parte destruídos pela expansão urbana. O Pantanal, bioma brasileiro mais preservado, assiste a uma conversão da vegetação natural, onde o uso de pastagens naturais é alterado para pastagens plantadas com vegetação exótica – 13% área (incluindo gramíneas e florestas) virou pasto no mesmo período. Já no Cerrado, as perdas foram três vezes maiores, se comparadas à Amazônia. Mas há também esperanças: a quase extinta Mata Atlântica passa por um renascimento, tendo ganho 2,5 milhões de hectares (o equivalente a quase uma Bélgica) neste século.

Os dados foram revelados pela segunda coleção de mapas do MapBiomas (Projeto de Mapeamento Anual da Cobertura e Uso do Solo no Brasil), iniciativa do Observatório do Clima em colaboração com 18 instituições, entre universidades, ONGs e empresas de tecnologia. Os mapas, lançados em Brasília mostram como o território brasileiro se transformou ao longo do século XXI, com imagens de satélite que vão de 2000 a 2016.

A nova série de mapas permitirá pela primeira vez acompanhar a evolução da ocupação do território em todos os biomas brasileiros ao mesmo tempo – hoje essa informação só está disponível para a Amazônia e Mata Atlântica e, de dois em dois anos, para o Pantanal – e calcular com maior precisão as emissões de gases de efeito estufa dele resultantes. Mas também possibilitará saber quanta floresta está se regenerando no Brasil, informação crucial para monitorar o cumprimento das metas nacionais no acordo do clima de Paris (a NDC).

No período observado, o Pantanal perdeu 14 mil quilômetros quadrados, com a vegetação natural caindo de 86% para 73%. Era muito preservado por ter grandes extensões de pastagens naturais, onde o gado convivia com a vegetação nativa. Neste século, porém, foi intensificada a derrubada de áreas de mata, as chamadas “cordilheiras”, para a plantação de pastagens e intensificação da pecuária.

 

Link Curto: http://bit.ly/2qsX996

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*