Fan Page - Boletim Ambiental
Showcase Page - Boletim Ambiental
Boletim Ambiental

Anvisa cria medidas de avaliação de aditivos aromatizantes

Buscando dar maior segurança jurídica aos fabricantes de produtos que fazem uso de aditivos aromatizantes de espécies botânicas regionais, a Anvisa determinou procedimentos para avaliação desses produtos. A decisão foi publicada no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (17/4), através da Instrução Normativa nº 15.

Uma das novidades nas medidas de avaliação é a possibilidade de utilização da abordagem de avaliação de risco chamada Threshold of Toxicological Concern, internacionalmente validada pela Organização Mundial de Saúde e pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação. Essa abordagem abre mão de estudos toxicológicos complexos, tornando o processo mais simples e proporcional, de acordo com as características das substâncias. Além de simplificar, a norma também auxilia na redução dos custos para aprovação das substâncias e na redução do uso de animais em estudos de toxicologia.

Entenda o que são aromatizantes e espécies botânicas regionais

Os aditivos aromatizantes são substâncias ou misturas de substâncias com propriedades capazes de conferir ou intensificar o aroma ou sabor dos alimentos. Esses aditivos são regulamentados pela Resolução RDC nº 2, de 2007.

As espécies botânicas regionais são as espécies vegetais cujo consumo é característico e tradicional de determinada região do país. Entre essas espécies, estão a catuaba (Anemopaegma mirandum), o chapéu-de-couro (Echinodorus macrophyllus) e a jurubeba (Solanum paniculatum). A partir dessas espécies, é possível desenvolver aditivos aromatizantes para uso em alimentos e bebidas.

Processo regulatório

A publicação da Instrução Normativa nº 15, de 2017, seguiu as diretrizes da Anvisa sobre Boas Práticas Regulatórias. Durante esse processo, foram realizadas as Consultas Públicas (CPs) nº 226 e 227, de 2016, além de diálogos com representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) e do setor produtivo de alimentos e ingredientes alimentares.

Mais informações sobre o tema podem ser encontradas no portal da Agência:

– CP nº 226, de 2016, clique aqui

– CP nº 227, de 2016, clique aqui

Link Curto: http://bit.ly/2opPnXC

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*