Fan Page - Boletim Ambiental
Showcase Page - Boletim Ambiental
Boletim Ambiental

Fotos flagram navio japonês caçando baleias na Antártica

Imagem capturada pelo grupo Sea Shepherd mostra uma baleia minke morta no deque de um navio baleeiro japonês. Foto: Glenn Lockitch

Governo australiano se diz ‘profundamente desapontado’ com o Japão

O governo australiano se disse “profundamente desapontado” com o Japão, após um grupo ativista ter divulgado imagens que mostram que navios japoneses continuam caçando baleias no oceano Antártico, dois dias após líderes dos dois países terem discutido o assunto.

Há tempos que a Austrália se opõe à caça de baleia promovida pelo Japão, e a questão esteve na pauta do encontro entre o primeiro-ministro australiano, Malcolm Turnbull, e seu colega japonês, Shinzo Abe, em Sidney, no último sábado. Mas no domingo, o grupo Sea Shepherd divulgou fotografias mostrando uma baleia minke morta, no deque de um navio baleeiro japonês, que estaria caçando num santuário australiano na costa da Antártica.

— O governo australiano está profundamente desapontado que o Japão tenha decidido retornar ao oceano Antártico neste verão para realizar a chamada caça de baleia “científica” — disse o ministro de Meio Ambiente da Austrália, Josh Frydenberg, nesta segunda-feira. — Não é necessário matar baleias para estudá-las.

Em uma ação movida pela Austrália, a Corte Internacional de Justiça decidiu em 2014 que o Japão deveria encerrar a caça de baleias no oceano Antártico. Os navios baleeiros chegaram a suspender a caça durante uma temporada, mas retornaram em 2015. Em comentário à Reuter, o ministro de Relações Exteriores australiano, Julie Bishop, informou que irá continuar a questionar a prática.

O Japão alega que a maioria das espécies de baleia não estão em risco e que o consumo de carne desse mamífero faz parte da cultura. Em 1987, o país começou a chamada caça de baleia para fins científicos, um ano após uma moratória internacional entrar em vigor.

Link Curto: http://bit.ly/2iukCCG

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*