Fan Page - Boletim Ambiental
Showcase Page - Boletim Ambiental
Boletim Ambiental

Eles moram ao nosso lado, goste mais dos morcegos

Os morcegos sempre são apresentados como criaturas assustadoras, repugnantes, que se alimentam de sangue, transmitem raiva, gerando todo tipo de aversão. Mas, dentro de mais de mil espécies existentes, somente três são hematófagas (se alimentam do sangue de bois, cavalos e aves).

No Brasil, quase a metade das 178 espécies vivem nas cidades. A espécie mais comum é o Artibeus lituratus, que consome frutas, vive na copa de árvores, caixas de ar-condicionado, garagens, forros de casas e telhados, segundo estudo de pesquisadores da Universidade Federal da Paraíba, que apontam que os grandes inimigos dos morcegos são, na verdade, o preconceito e falta de informação. Eles publicaram um artigo sobre o tema na revista “Urban Ecosystems”. Conheça três motivos, entre muitos outros, para gostar mais dos morcegos.

Controle de pragas
Estima-se que em apenas uma noite um morcego possa se alimentar de centenas de insetos. Em tempos de febre amarela e dengue, essa habilidade ganha um valor extra. Ao reduzir a quantidade de praga na natureza, também possibilita que se usemos menos pesticidas, o que resulta em menor poluição do meio ambiente e alimentos mais saudáveis.

Polinizadores de plantas
Os morcegos são frutívoros, se alimentam de néctar, transportando o pólen de flor em flor. Nesse processo fazem a polinização de mais de 700 espécies de plantas, usadas como alimentos ou dotadas de propriedades medicinais. É o caso da goiaba, castanha de caju, manga, pêssego, etc.

Jardineiros da floresta
Ao voar, os morcegos dispersam sementes que ingeriram por meio de suas fezes, propiciando o crescimento de novas árvores. Estimativas apontam que um metro quadro de floresta pode conter de 12 a 80 sementes dispersas por morcegos; sendo que o guano (fezes de morcego) contem nitrogênio, potássio e fosfato, o que ajuda a adubar o solo.

Saiba como agir se um morcego entrar em casa, clique aqui

Leia o artigo na revista Urban Ecosystems, clique aqui

Link Curto: http://bit.ly/2sdVh5m

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*