Fan Page - Boletim Ambiental
Showcase Page - Boletim Ambiental
Boletim Ambiental

Necessidade do tratamento de águas residuais

O tratamento de águas residuais (doméstica, agrícola e industrial) é crucial para proteger a saúde e o ambiente e também para fazer frente à escassez do líquido, segundo um relatório publicado, no mês passado, pela ONU. “As águas residuais representam um recurso muito valioso, devido à disponibilidade limitada de água doce no mundo e à demanda em alta”, afirma Guy Rider, responsável da ONU-Água, por ocasião do Dia Mundial da Água.

Hoje, 80% dos efluentes do mundo são despejados sem o devido tratamento no meio ambiente, segundo o Relatório Mundial das Nações Unidas sobre Desenvolvimento dos Recursos Hídricos 2017.

Durante décadas, a humanidade consumiu água a um ritmo mais rápido que sua produção natural, contribuindo em algumas regiões para a fome, as doenças, a migração e até os conflitos.

Se não houver uma mudança de atitude, a ONU prevê que em 2030 a demanda mundial será superior em 40% às provisões naturais. Dois terços da humanidade vivem em zonas onde a escassez de água é patente por ao menos um mês do ano. A metade delas vivem na China e na Índia.

Mais de 800 mil pessoas morrem todos os anos pelo consumo de água contaminada ou porque não podem lavar as mãos devidamente. As doenças relacionadas à água matam 3,5 milhões de pessoas anualmente na América Latina, África e Ásia, um dado superior à soma das mortes por Aids e acidentes de carro.

E o aquecimento global, que agrava a seca, prosseguirá, mesmo nos melhores cenários. Na América Latina, as águas residuais procedentes da agricultura, da indústria e das zonas urbanas nos países em desenvolvimento são uma das principais causas do problema.

Os países mais ricos tratam 70% das águas residuais que geram, um dado que cai a 38% nas nações de renda média e a 8% entre as mais pobres, segundo o relatório publicado pela ONU-Água e pela Unesco.

O relatório estima paralelamente que a região deveria investir mais de 33 bilhões de dólares para que o tratamento de águas residuais se elevasse a 64% em 2030.

Link Curto: http://bit.ly/2o6cyaE

Seja o primeiro a comentar esta notícia!

Comentário

Seu e-mail não será publicado.


*